No passado dia 28 do mês de Janeiro, o ex-vice-reitor para os Assuntos Académicos, ex-decano, ex-vice-decano, ex-conselheiro do ex-reitor e ex-docente da Faculdade de Direito da Universidade Independente de Angola (UnIA), João Pinto Manuel Francisco (JP), criticou severamente o actual reitor da mesma universidade, Filipe Silvino de Pina Zau na sua página de “Facebook”.

Por Arlindo Santana

O docente e deputado, entre outras “délicatesses” escreveu o seguinte: “(…) o Doutor Filipe Zau mostrou claramente que ser pedagógico pode convir para o ensino primário ou médio, mas na Universidade implica cientificidade, humildade, debate permanente, liberdade e tradição” (…) , para em seguida avançar para uma diatribe cuja finalidade era rebaixar o prestígio do actual Reitor, salientando que “(…) os órgãos nomeados então (à data da tomada de posse de Zau) até agora não foram empossados, um dos vice-reitores demitiu-se e os decanos foram exonerados, com o início do Ano lectivo de 2015 os certificados e diplomas foram assinados por órgãos ou titulares que nunca foram empossados e já foram exonerados quando o mesmo Reitor nunca foi aprovado pela assembleia de accionistas!”, para enfim rematar, “Hoje, a UnIA nem sequer conseguiu organizar a cerimónia pública de outorga de Diplomas de 2013, por violação do calendário da tutela!”

É muito pecado junto e tantos são que nos pareceu estar por ali escondida garoupa debaixo da rocha. Fomos dar uma olhada, questão de ver o que o edulcorado arreganho da dignidade do senhor deputado realmente escondia e, rapidamente, reparamos que apenas havia a sua própria pessoa, indignada, perante actos atentatórios à sua carreira académica a ameaçar perigosamente a estabilidade da sua sinuosa carreira política.

De facto, o deputado João Pinto para além de vice-decano da Faculdade de Direito, ocupou em simultâneo o cargo de vice-reitor da UnIA antes de o Prof. Doutor Filipe Zau, ter sido nomeado para esse posto e, naturalmente, sentiu-se ofendido no alto da sua estratosférica auto-estima (e isso até se compreende), apesar de ter sido posteriormente nomeado decano e conselheiro do antigo reitor, apesar daquelas responsabilidades académicas serem incompatíveis com o seu lugar de deputado na Assembleia Nacional.

Ele, primeiro Vice-Reitor para os Assuntos Académicos e vice-decano da Faculdade de Direito, depois Decano e Consultor do Reitor anterior, apesar de nenhuma destas suas responsabilidades académicas terem sido homologadas pelo Ministério do Ensino Superior, ver-se ultrapassado por um forasteiro, doutorado, de acordo, mas ligado ao show-bizz, não… não é assim que se malbarata um talento como o seu ao serviço de um labor nobre, intenso e rigoroso.

Este é o seu ponto de vista, claramente patente no panfleto que temos vindo a citar.

Aqui chegados impôs-se-nos uma pausa para reflectir, e veio-nos à mente o pendente aleatório de toda e qualquer nomeação, mas veio-nos também à orelha um feixe de informações relacionadas com vários aspectos do caso, nomeadamente com o verdadeiro nível académico do deputado João Pinto.

Esse senhor começou a sua carreira como docente universitário (na Faculdade de Ciências Sociais da UAN) apresentando um simples diploma de licenciatura, mais tarde, quando passou a ser vice-reitor na UnIA nem mestrado tinha pois esse diploma, na área do direito, só lhe foi entregue há muito pouco tempo e com baixa classificação final, enquanto Filipe Zau, além de duas licenciaturas (uma no Brasil e outra em Portugal) é mestre desde 1999 e doutorado desde 2005, com classificação máxima em ambas as formações pós-graduadas, estas realizadas na Universidade Aberta em Lisboa.

A diferença é grande e assim vistas as coisas não sobram dúvidas no que toca ao acerto da escolha de Filipe Zau como Reitor, já reformado da função pública, onde foi assessor dos dois últimos Ministros da Educação.

Por outro lado, tudo o que vem escrito nesta queixa pública publicada no Facebook transpira um orgulho mal parido e má-fé, em declarações desasadas no destrate do Reitor actual (para o primário e secundário serve, para o ensino superior não serve, afundou a UnIA no primeiro ano do seu mandato, não foi capaz de fazer a festa de final de curso, quando não é pessoalmente ao reitor que incumbe organizar a festa, que também não foi organizada, por exemplo, pela universidade Óscar Ribas e ninguém fala disso… não se percebe de onde vem tanta raiva e veneno), o que nos deu a pensar que o senhor deputado pressente que no céu do mundo académico há sinais de borrasca grossa.

Nesse caso, este ataque tão virulento seria apenas estapafúrdio se não tivesse por objectivo enfraquecer aquele que a seu ver já deu sinais de poder desencadear essas borrascas sobre a sua cabeça. Ora, o que ouvimos a esse respeito é demasiado grave para expor aqui sem termos dados que possam certificar o que nos foi dado a acontecer, mas podemos afirmar que um relatório circula pelas mais altas esferas do Estado a propósito da alegada tempestade, tipo furacão, que, tarde ou cedo, vai cair sobre a cabeça do deputado João Pinto.

Partilhe este Artigo