O Bolha e o Bolor, do Pravda angolano, ficaram muito incomodados e chateados com o Raul Danda, por este deputado ter desmascarado o cambalacho parasitário que ambos os mercenários conseguiram organizar, como sanguessugas do Orçamento Geral do Estado de Angola, mamando na teta da Republicana Monarquia.

Por Domingos Kambunji

Q uanto mais barafustam mais se enterram no lodo que produzem, com a conivência de dirigentes do MPLA, o partido que iniciou a guerra civil em Angola, da Casa Senil da Presidência da Reipública e com a anuência do Governo da Cleptocracia.

Ainda recentemente este pasquim, das Edições 27 de Maio, que alguns designam por Jornal de Angola, foi contemplado com um prémio de Qualidade e Liderança, em França. Nós, que não nascemos ontem, sabemos bem que existem muitas empresas, em todo o mundo, sempre muito disponíveis para atribuir este tipo de prémios, desde que o premiado seja capaz de soltar os cordões à bolsa, aceitando pagar elevadas quantias em dinheiro para poder receber o troféu.

Se Zédu decidir ampliar a participação neste tipo de eventos de venda da banha da cobra, através do Jornal dos Desportos das Edições 27 de Maio, até poderá acontecer que seja atribuído a Angola o título de Campeão Mundial de Futebol, apesar de a selecção não se ter qualificado para essa final, onde estão presentes apenas as melhores selecções do planeta Terra.

Como quase ninguém os elogia, os mercenários do pasquim oficial do Zédu, desta vez, resolveram pôr-se nas pontas dos pés, depois de um enorme esforço para se erguerem da horizontal e manterem-se na vertical, com o objectivo de auto-elogiarem-se, através dos dados obtidos numa sondagem sanzaleira do IPOP.

Dizem eles que o pasquim oficial tem 54.7% da audiência entre os participantes nessa sondagem. Estamos em crer de que se fossem entrevistar os muitos milhões de analfabetos residentes em Angola, todos eles diriam que sabem ler e são leitores do jornal diário, gerado na chocadeira da editora 27 de Maio, chico-espertamente designada por Novembro. Se tivessem efectuado essa sondagem no pátio do Palácio Feudal, estamos em crer que a audiência do pasquim seria de seiscentos, setecentos por cento ou muito mais.

O pasquim, de onde os Bolha & Bolor abifam centenas de milhar de dólares por ano, possui 61 % dos entrevistados a confiarem no tipo de informação manipulada, levedada e propagandeada pelo Reigime? Esse número pode servir como uma tentativa para impressionar a Casa Senil da Presidência da Reipública e justificar os exagerados salários do Bolha e do Bolor mas, sinceramente, dá-nos vontade de rir, rir muito, rir às gargalhadas. Senão vejamos alguns exemplos de notícias publicadas, relativamente recentes.

“Sua Excelência o Presidente da República, o Engenheiro José Eduardo dos Santos, trabalhou arduamente na reconstrução de uma barragem destruída por um movimento militar da oposição”. O pasquim não ilustrou essa notícia com fotografias do Zédu a acartar às costa, baldes de cimento, pedra, areia e massa ou a trabalhar com uma betoneira, na reconstrução da tal barragem.

Assim sendo, o Zédu não trabalhou arduamente e o pasquim mente descaradamente! Esse mesmo pasquim, de propaganda e informação da Cleptocracia, não se cansa de acusar os oposicionistas de, durante a guerra civil iniciada pelo MPLA, ter destruído estradas, pontes, etc. Há poucas semanas, numa daquelas crónicas, cheias de sofismas e muita lana caprina, que o Bolha e o Bolor publicam, para tentarem construir heróis a partir do lodo e da lama, diziam eles que as FAPLA, antes de um general mercenário, oriundo de Cuba, ter ido para o galheiro, devido à explosão de uma mina, destruíram estradas e pontes, numa estratégia de guerra, para combaterem forças do movimento da oposição, auxiliado por forças sul-africanas…

Esse mercenário cubano é, pelas barrigas e bocas de aluguer do pasquim, considerado herói angolano, sempre com muitas flores sobre a sua campa!… Afinal as FAPLA também destruíram estradas, pontes, escolas, hospitais, etc.! A estória de que só os outros fizeram estragos não é verdadeira. Assim sendo, o pasquim mente infantil e desavergonhadamente!

“Um ex-Vice-Governador do Huambo anunciou que conseguiu combater o analfabetismo no período de um ano”. Nós, que também estudámos e trabalhamos no ensino Elementar, Secundário e/ou Universitário (não na Universidade do Catambor), poderemos afirmar, com total consciência e a máxima certeza, de que o pasquim oficial ao serviço do Zédu é tão aldrabão que acaba por não ter a consciência do ridículo e dos disparates que produz, tropeçando nas suas mentiras e estatelando-se no chiqueiro que produzem. Assim sendo, o pasquim mente descaradamente!

“Os doentes internados no Hospital de Icolo o Bengo têm alta e sentem-se muito felizes com o tratamento, muito profissional e simpático, proporcionado pelos enfermeiros, apesar de escassearem ou faltarem os medicamentos”. Esta notícia só poderá merecer nojo e repulsa da parte de quem for minimamente inteligente e defensor da dignidade e dos direitos humanos, através da implementação de valores holísticos. Assim sendo, o pasquim mente estúpida e descaradamente!

“Angola possui as melhores e mais seguras estradas do mundo”. O mundo destes mercenários, que abifam centenas de milhares de dólares nas Edições 27 de Maio, chico-espertamente designadas por Novembro, circunscreve-se apenas ao perímetro de segurança do Palácio Feudal, onde os cangaceiros da Cleptocracia assassinam jovens e jovens-adultos, como foram os casos Ganga, Kassule, Kamulingue, etc. Angola não possui as melhores e mais seguras estradas do mundo civilizado porque as muitas picadas asfaltadas não podem ser consideradas estradas e porque não faz parte do universo dos países civilizados, devido às imposições do Socialismo Sanzaleiro. Assim sendo, o pasquim oficial mente descarada, sanzaleira e matumbamente!

O pasquim oficial de Angola não criticou a Rússia, a Arábia Saudita, a Nigéria, o Canadá, o Reino Unido, a Austrália ou Timor-Leste por serem produtores de petróleo. Não! Nunca! A dor de cotovelo do Bolha e do Bolor revela-se na estratégia de atacar os americanos porque resolveram explorar alguns, não todos, os seus recursos petrolíferos. Ao mesmo tempo, os americanos estão a apostar na diversificação e racionalização do uso das fontes de energia.

A verdade é só esta: os americanos baixaram, quase para metade, o preço da gasolina para consumo dos seus cidadãos; Angola subiu o preço da gasolina, aumentando as despesas dos consumidores, com salários muito inferiores aos dos americanos. É por isso que alguém disse que “em vez de apontarem os canhões aos piratas que existem no mar, a guerra, isso sim, deverá orientar-se para apontar os canhões da inteligência e da lógica racional contra os piratas que se estão a governar, a roubar, na nossa terra”.

A redução das receitas provenientes da exportação do petróleo, devido ao abaixamento do preço do crude no mercado internacional, foi outra tragicomédia, um “drama de baba e ranho de todo o tamanho”, representada, com um enorme insucesso, pelo pasquim oficial do Bolha, do Bolor e do Manaças.

Primeiro, isso não seria uma problema para Angola porque o Governo diversificou a Economia atempadamente. Depois, porque não houve diversificação da Economia e este argumento é falacioso, veio a teoria de que o aumento na produção de diamantes compensaria a perda de receitas do petróleo. Este sofisma não ganhou pernas para andar. Agora que o Reigime diz que a redução do preço do crude é preocupante, o Bolha, o Bolor e o Manaças resolveram apostar na Teoria da Conspiração dos americanos.

Este tipo de Estratégia Cata-Vento vai, num destes dias, obrigar o Bolha, o Bolor e o Manaças a afirmarem que a Austrália faz parte da Europa, o Brasil está localizado na Ásia, a Dinamarca faz fronteira com a Namíbia e o Zimbabwe, e o Canadá é vizinho do Uruguai, na Oceânia. Vai haver muitos militantes do MPLA a acreditarem nesta “teoria geoestratégica”, concebida e a ser parida pelo desnorteio mental dos arautos do pasquim oficial.

A sondagem diz que o pasquim oficial tem 7,5% da audiência na Internet. (O Bolha e o Bolor não cometeram uma gafe ao pretenderem afirmar que o pasquim possui uma audiência de 750%?). Qual é a percentagem da população angolana que beneficia directamente dos serviços de Internet? 7,5% ou menos? Os números de utilizadores da Internet, em Angola, talvez sejam inferiores. O Bolha e o Bolor sabem que os americanos têm biliões de contas com endereços pessoais na Internet? Estamos a falar de biliões, não dos números estatísticos, pouco significativos a nível mundial, que se verificam em Angola.

O Bolha e o Bolor sabem que o último Prémio Pulitzer foi atribuído a um jornal com edição online e que o futuro das editores civilizadas passará obrigatoriamente por este tipo de publicação? Os 54.7% que o Bolha e o Bolor tentam pavonear só demonstram o enorme atraso em que se encontra o nosso país, em especial o pasquim oficial ao serviço do Palácio Feudal.

Só para dar alguns exemplos, a CNN, a Fox News, a ABC, a NBC, o New York Times ou o Washington Post ficariam muito felizes se tivessem níveis de audiência de metade desse número vomitado pelos Bolha & Bolor. Aqui estamos a falar de jornalismo a sério, não de jornalismo escatológico, a cheirar muito mal, como é o caso do pasquim oficial.

Nesses órgãos de Comunicação Social, a sério, existem jornalistas a auferirem e a justificarem salários de milhões. As centenas de milhares de dólares gastas para pagarem o pirão do Bolha e do Bolor são uma quantia demasiado exagerada para quem pratica uma actividade exclusivamente parasitária, subserviente e fanaticamente partidária, e exibe umas cultura geral e formação académica tão anquilosadas, esclerosadas e limitadas.

A crónica dominical do pasquim oficial ainda não percebemos se é apenas uma estratégia para bajular e elogiar o Rei-Presidente ou de o Bolha, o Bolor e o Manaças tentarem seduzi-lo sexualmente. A idolatria é tão sanzaleira e doentia que, todos nós verificamos ser demagogia, ou “homofilia”.

Assim fica reposta a verdade: o pasquim é primeiro jornal sanzaleiro na informação e propaganda fanaticamente mentirosa e manifesta uma enorme raiva em relação ao deputado Raul Danda, por este não ter qualquer receio em desmascarar os cambalachos e vigarices do Bolha e do Bolor. Estes mercenários, ao serviço da Corrupção, em estatística e como papagaios de sondagens manipuladas, são duas nulidades, uma enorme aberração.

Os “Altos Dirigentes” do país, com muito baixas práticas, deveriam sentir nojo deste tipo de informação propagandística. Não! Eles não demonstram qualquer tipo de asco e de revolta porque necessitam deste chiqueiro para continuarem a abifar muito dinheiro.

Partilhe este Artigo