Quarenta ex-militares da FLEC receberam, no município de Cacongo, em Cabinda, casas evolutivas do tipo T2, cujo acto de entrega foi presidido pela governadora Aldina da Lomba Catembo.

O referido grupo de 40 ex-militares da FLEC apresentou-se em Novembro de 2014 às autoridades com as respectivas famílias, perfazendo 159 pessoas, das quais 85 mulheres e 33 crianças vindos da República do Congo Brazzaville.

Ficamos assim a saber, pela boca da governadora e – portanto – com a chancela oficial do governo de Eduardo dos Santos, que em Novembro do ano passado “ainda” existia a FLEC e que “ainda” tinha pelo menos 40 militares.

Os beneficiários foram igualmente contemplados com kits agrícolas, bens alimentares compostos por cesta básica, roupa, utensílios e electrodomésticos e terras para o cultivo.

Por sua vez o secretário provincial da Agricultura, João Tati Luembe, garantiu apoio em termos de assistência técnica agrária e de meios e instrumentos agrícolas.

Também a secretária provincial da Reinserção Social, Mónica Manuel, indicou que o processo de reintegração dos ex-militares inclui o registo de nascimento, a atribuição do bilhete de identidade, legalização das esposas dos ex-militares de nacionalidade estrangeiras, bem como o acesso das crianças ao sistema do ensino.

A governadora Aldina da Lomba Catembo louvou a iniciativa do ex-militares da FLEC em regressarem voluntariamente, tendo garantido a disposição do Governo continuar prestar apoio necessário para a sua reinserção social e apelado a contribuição dos mesmos no processo de reconstrução nacional.

Desta forma, julga o governo de Luanda, será possível pôr de joelhos todos aqueles que, legitimamente, querem ter direito a dizer o que querem. Tal como queriam, por exemplo, os angolanos em relação a Portugal e os timorenses relativamente à Indonésia.

O regime angolano está obviamente enganado. Estes 40 militares sabem que as ditas casas evolutivas só evoluem se eles se mantiverem quietos e calados, submissos e membros do MPLA. Se assim não for, passarão de casas tipo T2 para cubatas e para peixe podre, fuba podre, panos ruins e porrada se refilarem.

Partilhe este Artigo