O Presidente José Eduardo do Santos apelou hoje ao apoio do novo arcebispo metropolitano de Luanda, Filomeno Vieira Dias, no “resgate dos valores e princípios morais” da sociedade, afectados pela guerra civil que se fez sentir até 2002.

A posição foi transmitida numa mensagem que o chefe de Estado dirigiu ao arcebispo de Luanda, Filomeno Vieira Dias, saudando o início das novas funções do ainda bispo de Cabinda, empossado no cargo na capital do país este sábado.

“Estou convencido de que nas suas actuais funções, vossa reverendíssima prestará um contributo ainda maior para o resgate dos valores e princípios morais que foram gravemente afectados pelo conflito, que devastou o país e dividiu os angolanos”, escreve José Eduardo dos Santos na mensagem, hoje tornada pública.

O texto elogia ainda o “valor espiritual e as reconhecidas qualidades” do novo arcebispo de Luanda, classificando-o como um “gestor de almas e formador de consciências”.

Na sua missa de apresentação aos fiéis, no passado domingo, Filomeno Vieira Dias apontou a “cultura da morte” e o egocentrismo entre os maiores desafios da arquidiocese da capital de Angola.

“Por isso somos chamados a ser uma cidade e uma igreja missionária”, justificou o arcebispo durante a homília proferida para milhares de fiéis, realizada na baía de Luanda, no dia seguinte à sua posse.

Referindo-se à “Luanda dos novos tempos”, e invocando vários poetas, o arcebispo Filomeno Vieira Dias identificou entre os “desafios” da sociedade local, o “enfraquecimento” da vida cristã, a indiferença ou a “cultura da morte que cada vez mais dá sinais através da violência”, aludindo à insegurança na capital.

“A cultura egocêntrica manifestada nos sinais da ganância dos que querem comer tudo. Somos convidados a reforçar as raízes cristãs do nosso povo”, enfatizou, após reconhecer que tem pela frente uma missão “grande e desafiadora”.

“Hoje torna-se necessário despertar e reavivar no coração dos crentes, no coração de Luanda, a experiência da beleza do mistério de Deus connosco”, disse ainda.

Trata-se do sexto arcebispo de Luanda desde a elevação da diocese (fundada em 1596) a arquidiocese, em 1940, ainda no tempo colonial português.

A província de Luanda é a mais populosa de Angola, concentrando actualmente cerca de 6,5 milhões de habitantes.

Filomeno Vieira Dias, de 56 anos, foi nomeado em Dezembro, pelo Vaticano, para as funções de arcebispo metropolitano de Luanda, após a morte do bispo Damião Franklim.

Formado nos seminários dos Capuchinhos de Luanda e do Cristo Rei, na província do Huambo, Filomeno Vieira Dias foi ordenado sacerdote em 1983. Em 2004 foi nomeado e ordenado bispo auxiliar de Luanda, tendo um ano mais tarde assumido o cargo de bispo titular de Cabinda, funções que ainda mantém.

Partilhe este Artigo