Os bancos angolanos contaram com menos 26% de divisas em Agosto, face ao mês anterior, segundo dados do Banco Nacional de Angola (BNA) que confirmam o agravamento das dificuldades no acesso a dólares no país.

O s bancos angolanos compraram em Julho 1.760 milhões de dólares de divisas, valor que segundo o BNA diminuiu para 1.299 milhões de dólares em Agosto, uma quebra de 26,1% e que soma ao corte de 27% no mês anterior.

Entraram assim por dia no mês passado, nos bancos angolanos, o equivalente a 37,2 milhões de euros, entre compras ao BNA em leilões ou directamente a clientes. Ainda assim, os problemas de acesso a divisas pelos utentes persistem, enquanto a taxa de câmbio no mercado paralelo tem vindo a disparar nas últimas semanas.

Essas dificuldades são perceptíveis também na compra de divisas pelos bancos aos clientes, que voltaram a descer em Agosto, para apenas 183 milhões de dólares, o equivalente a menos de 15% do total das compras de Agosto (1.299 milhões de dólares).

Em causa está a crise da cotação internacional do barril de crude, que tem vindo a diminuir as receitas fiscais e a entrada de divisas em Angola, mas também, e por consequência, o acesso a moeda estrangeira.

As divisas (dólares) são necessárias para assegurar as compras de Angola ao estrangeiro, nomeadamente matéria-prima ou bens de alimentação, e para financiar estudos ou tratamentos de saúde a cidadãos nacionais no estrangeiro.

Esta conjuntura já levou o kwanza a desvalorizar-se cerca de 37%, face ao dólar norte-americano, no último ano, em termos de taxa de câmbio oficial do BNA.

“A procura [de divisas, na banca comercial] não diminuiu. O problema é que eu, pessoalmente, acredito que nem toda a procura de divisas é legítima. Portanto, quando nós pudermos ter uma procura legítima, de certeza que não vai haver falta de divisas”, afirmou recentemente o governador do BNA, José Pedro de Morais Júnior.

Partilhe este Artigo