A injecção de divisas nos bancos comerciais aumentou mais de 75% na última semana, para cerca de 500 milhões de dólares, segundo dados do Banco Nacional de Angola (BNA).

A informação resulta do relatório semanal sobre a evolução dos mercados monetário e cambial do BNA, relativamente à venda de divisas entre 28 de Setembro e 2 de Outubro, realizada a uma taxa interbancária média de 135,978 kwanzas (89 cêntimos de euro), praticamente inalterada face à semana anterior.

Neste período, o BNA vendeu em leilões, aos bancos comerciais, 499,1 milhões de dólares, valor que compara com os 284,4 milhões de dólares injectados na semana anterior, um crescimento semanal de 75,5%.

Angola enfrenta uma crise financeira e económica, face à redução de receitas fiscais com o petróleo, e por consequência cambial, devido à redução da entrada de divisas no país, necessárias para garantir as importações de máquinas, matéria-prima e alimentos.

Esta situação já provocou uma desvalorização de mais de 37% no kwanza, face ao dólar norte-americano.

Para tentar retirar pressão de procura aos bancos, o BNA voltou a realizar um leilão de venda de divisas directamente às casas de câmbio na última semana.

Foram distribuídos, a 29 de Setembro, um total de 10 milhões de dólares por 46 das 48 casas de câmbio em situação legal, sendo que estas eram antes obrigadas a comprar directamente aos bancos, que por sua vez alegavam não ter divisas suficientes.

Contudo, mantêm-se as dificuldades no acesso a moeda estrangeira nos bancos, com o mercado paralelo, de rua, a apresentar taxas de câmbio acima dos 200 kwanzas por cada dólar, para compra de moeda estrangeira.

A situação actual de falta de divisas, em função da procura, continua a dificultar, por exemplo, as necessidades dos cidadãos que precisam de fazer transferências para o pagamento de serviços médicos ou de educação no exterior do país ou que viajam para o estrangeiro.

O banco central anunciou no final de maio que aquela instituição passou a ter “elementos para flexibilizar” a gestão do mercado cambial, nomeadamente através do aumento de dois para três leilões de divisas (vendas aos bancos) semanais, para regularizar o fluxo de divisas.

“A procura [de divisas, na banca comercial] não diminuiu. O problema é que eu, pessoalmente, acredito que nem toda a procura de divisas é legítima. Portanto, quando nós pudermos ter uma procura legítima, de certeza que não vai haver falta de divisas”, afirmou a 25 de Julho o governador do BNA, José Pedro de Morais Júnior.

Partilhe este Artigo