O regime angolano, não mais será visto como democrata, pelas práticas dantescas que tem tido contra os cidadãos, coarctando com a força das armas as liberdades e a democracia, por temer a sua aplicação plena.

A té mesmo uma manifestação de buzinas e panelas, não deixou de ordenar à Polícia Nacional do MPLA para que procedesse à detenção de pessoas e bens.

Em Viana e no Bairro Miru, os agentes de Eduardo dos Santos prenderam cerca de 15 motoqueiros, que participavam no buzinão, levando as suas motorizadas que lhes garante, no dia-a-dia, o ganha pão, pois exercem a actividade de Kupapata (moto-táxi), como recurso à política de exclusão que os levou ao desemprego.

Também na zona de Bonzela, seis candongueiros (viaturas colectivas táxis) foram apreendidas e os respectivos motoristas sob idêntica acusação, com um dos polícias a espancar um deles nos seguintes termos: “você já não ganha juízo, hoje mesmo no aniversário do chefe (José Eduardo dos Santos) é para buzinar. Você quer ouvir esse William Tonet, ele então é americano e já não está aqui em Angola, está lá no bem bom com o Barack Obama, que só querem desestabilizar o nosso país”.

Com a população a fazer pressão sobre a polícia, esta foi obrigada a pedir reforço, vindo duas carrinhas da PIR (Polícia de Intervenção Rápida), para ajudar à detenção dos taxistas, por estarem a buzinar.

O desrespeito pela Constituição e pelas leis, por aprovadas, brada aos céus e a cada manifestação de rua, logo soltam os cães para “morder” os cidadãos, numa clara demonstração de estarmos diante de um regime ditatorial e um presidente que, vendendo uma imagem de “cordeiro”, age pior que os monarcas mais violentos que o mundo tem memória.

Mas nada pode travar a vontade de um povo por muito tempo e, um dia, mais cedo do que tarde, chegará a nova aurora, daí os angolanos na diáspora, por serem discriminados, também, por este regime que os impede de votar, quando a Constituição permite, vão ganhando consciência da necessidade de terem de participar em todos os actos de protesto democrático.

É dentro deste quadro que em Lisboa se realizou também, hoje, o buzinão e panelaço, com a concentração das pessoas que aderiram à iniciativa. Eram algumas dezenas de manifestantes frente ao Consulado Geral da Embaixada de Angola, em Alcântara.

Ostentavam cartazes e as fotos dos jovens angolanos presos pelo regime de José Eduardo dos Santos. Foi uma manifestação pacífica. O que o grupo exige é o respeito pelas liberdades, o direito ao pensamento e à opinião. As buzinadelas que se ouviram ao longo da tarde visaram chamar a atenção para a gravidade do que se vive em Angola, onde o Governo de JES tem posto em causa os direitos fundamentais. O grupo foi atentamente seguido durante toda a tarde por um pequeno aparato policial, sob olhar atento dos serviços de informação da Embaixada.

Partilhe este Artigo