Diz o filho do Presidente da República, líder do Fundo Soberano de Angola (FSDEA), que o país vai ter, em 2015, uma academia para formação no ramo da hotelaria, indústria crescente nos últimos anos, já em construção na província de Benguela.

O projecto, denominado Academia de Gestão da Hospitalidade Angolana, é de iniciativa do FSDEA em colaboração com a Lausane Hospitality Consulting (LHC), empresa suíça de consultoria de capacitação e aconselhamento à gestão, e da divisão de formação de executivos da École Hôtelière de Lausane (EHL).

O FSDEA refere em comunicado que o principal objectivo da futura academia “é proporcionar educação de elevado padrão no ramo da hotelaria aos profissionais mais jovens desta indústria crescente”.

A construção da nova infra-estrutura deverá ser feita por fases, devendo as admissões ocorrerem no quarto trimestre de 2015. A formação abrangerá as áreas de gestão, operações de alimentos e bebidas e culinária.

Segundo o Presidente do Conselho de Administração do FSDEA, José Filomeno dos Santos, o projecto surge como resposta ao crescimento económico exponencial de Angola e a uma necessidade crescente de profissionais capazes no ramo hoteleiro.

“O principal objectivo da academia é prover ensino de melhor qualidade neste ramo a nível do continente. A EHL é uma das melhores escolas a nível mundial, portanto, o facto de que os jovens angolanos, e quiçá, do resto do continente, beneficiarem da sua reconhecida competência e experiência agrada-nos bastante”, lê-se no documento.

O programa da Academia de Gestão da Hospitalidade Angolana enquadra-se nos projectos de desenvolvimento dito social do FSDEA.

Reduzir a carência de quadros nessa área é outro dos objectivos da academia, cujos cursos incluem programas de formação para executivos e cursos de duração curta dedicados a profissionais do ramo, preparados de acordo com os padrões internacionais de serviços de hotelaria.

Recentemente, José Filomeno dos Santos, filho do Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, disse ao britânico Financial Times que 1,6 mil milhões de dólares serão investidos em infra-estruturas e hotelaria africanas para compensar a descida do petróleo e intensificar a diversificação das aplicações económicas.

José Filomeno dos Santos referiu que 1,1 mil milhões de dólares (cerca de 880 milhões de euros) seriam alocados a um fundo para investimentos em energia, transportes e outras infra-estruturas em projectos na África Subsaariana, reservando mais de 500 milhões (401 milhões de euros) para outro fundo de investimentos na hotelaria e em projectos ambientais.

O FSDEA pertence ao Estado angolano e foi criado com o objectivo de promover o desenvolvimento social e económico de Angola e gerar reservas para os cidadãos angolanos.

Partilhe este Artigo