O antigo Presidente timorense José Ramos-Horta vai ser nomeado pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) para apoiar o processo de integração da Guiné Equatorial na organização, adiantou o secretário-executivo do bloco lusófono.

AGuiné Equatorial aderiu à CPLP em Julho deste ano, durante a cimeira em Díli, quando Timor-Leste assumiu a presidência da organização.

Em declarações à Lusa, o secretário-executivo da CPLP afirmou hoje que Ramos-Horta foi o nome “endossado” pelos ministros dos Negócios Estrangeiros dos Estados-membros da organização e indicou nos próximos dias deverá ser formalizada a sua nomeação pelo Presidente timorense, Taur Matan Ruak, que nos próximos dois anos assume igualmente a presidência do bloco lusófono.

A tarefa do representante será de “apoiar e aconselhar a Guiné Equatorial no seu processo de integração no seio da comunidade”, disse Murade Isaac Miguigy Murargy.

A Guiné Equatorial “é membro da CPLP, mas há muitos passos que ainda precisa de dar para se sentir mais à vontade”, justificou.

Questionado sobre se Ramos-Horta irá observar o cumprimento de direitos humanos na Guiné Equatorial, o secretário-executivo afirmou que “não há um item específico”. O objectivo é “acompanhar e ver quais as dificuldades” daquele país, acrescentou.

A Guiné Equatorial, país liderado desde 1979 por Teodoro Obiang e cuja língua predominante é o espanhol, tornou-se o nono membro da CPLP em Julho deste ano, depois de dez anos de aproximação ao bloco lusófono.

A entrada da Guiné Equatorial havia sido condicionada ao cumprimento de um roteiro que incluía a abolição da pena de morte e a adopção do português como língua oficial.

José Ramos-Horta, Presidente de Timor-Leste entre 2007 e 2012, foi recentemente nomeado para dirigir o Painel Independente de Alto Nível sobre Operações de Paz das Nações Unidas.

Antes, Ramos-Horta, que recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1996, foi representante especial da ONU na Guiné-Bissau.

Partilhe este Artigo