As equipas multissectoriais que procuram, em Angola, dois lotes de frango congelado proveniente da Bélgica infectado com salmonela ainda não encontraram qualquer rasto do produto no país.

A informação foi prestada pela ministra do Comércio, Rosa Pacavira, depois de o Instituto dos Serviços de Veterinária (ISV) ter ordenado, na quarta-feira, a retirada do mercado deste tipo de frango.

“Estamos já há uma semana a bater os armazéns e áreas onde se está a fazer a venda deste tipo de produto, mas o certo é que não encontramos nenhum lote dos que a União Europeia notificou Angola”, disse a ministra.

Segundo nota enviada anteriormente pelo Ministério da Agricultura, o ISV foi notificado a 12 de Setembro por um alerta proveniente da Direcção-Geral de Saúde e Consumidores da União Europeia para a “contaminação por ‘Salmonella Enteritidis’ em frangos crus congelados”.

Este “alerta rápido” europeu afecta dois lotes daquele produto da marca/nome comercial Pluvera, com o peso de 1,3 quilogramas, “provenientes da Bélgica”, produzidos a 12 de Junho de 2014 e com data de caducidade de 31 de Janeiro de 2016.

Recordando o “risco que a salmonelose representa para a saúde pública”, o ISV determinou a retirada do mercado, e destruição, dos dois lotes identificados.

“Os consumidores devem prestar atenção às referências dos lotes e às datas de produção e caducidade e proceder à sua destruição imediata caso os tenha adquirido”, lê-se na mesma informação.

Já a ministra do Comércio garante que as equipas conjuntas, formadas por elementos da Polícia Económica, departamentos dos dois ministérios e técnicos laboratoriais, vão continuar a procurar estes produtos junto dos importadores logísticos de congelados.

“Mas, em princípio, em Angola esses lotes não entraram”, disse Rosa Pacavira.

Partilhe este Artigo