O porta-voz do Ministério da Administração Interna (MAI) da Guiné-Bissau confirmou hoje que foram encontrados acampados em território guineense rebeldes que lutam pela independência de Casamança (região do sul do Senegal) armados com metralhadoras e lança-granadas.

T ratando-se “de uma força estrangeira no território nacional, é de facto preocupante e não podemos permitir que isso continue”, referiu Samuel Fernandes, tenente-coronel da Guarda Nacional e porta-voz do Ministério.

Samuel Fernandes adiantou que o Presidente guineense já foi hoje informado do sucedido pelo ministro da Administração Interna, Botche Candé, e que vai ser criada uma comissão de alto nível para lidar com o assunto.

Os rebeldes foram encontrados por uma comitiva governamental liderada por Botche Candé que durante o fim-de-semana esteve em visita oficial a uma região no norte da Guiné-Bissau, perto de Farim, junto à fronteira com o Senegal.

Na altura, o governante foi informado que haveria “movimentações estranhas” na zona, situação que a comitiva de que fazia parte resolveu averiguar, explicou Samuel Fernandes, que também integrava a equipa.

“Constatou-se que estavam elementos das forças do Movimento das Forças Democráticas de Casamança (MFDC) dentro do território nacional. Isto é muito grave”, considerou o porta-voz do MAI, adiantando que se tratava de “um grupo armado com metralhadoras e lança-granadas”.

Apesar de não ter havido nenhuma ameaça à segurança da comitiva, “é uma situação delicada que pode comprometer a segurança nacional”, disse Samuel Fernandes.

“Conversámos com eles” e “confessaram que estavam em território nacional. Têm a base do outro lado [da fronteira, em Casamança, mas estão numa zona de matas cerradas” e onde foram enterradas minas antipessoais, condições que fazem com que os agentes de segurança guineenses não avancem, dando-lhes espaço, segundo referiram.

Da comitiva que se deparou com os rebeldes faziam ainda parte o secretário de estado da Ordem Pública, o governador da região de Oio, o comissário nacional da Polícia de Ordem Pública e o comandante para o país da Guarda Nacional.

As acções do Movimento das Forças Democráticas de Casamança são cada vez mais raras, mas, oficialmente, os rebeldes ainda não depuseram as armas e estão divididos em diversas alas políticas e militares.

O movimento luta desde 1982 pela secessão de uma província que já fez parte de Portugal, integrada no território da então Guiné Portuguesa, e que é agora parte do sul do Senegal.

Partilhe este Artigo