O secretário-geral da Aliança Evangélica de Angola (AEA), reverendo António Neves Mussaqui, garantiu neste domingo, em Luanda, que a sua instituição eclesiástica vai continuar a prestar serviço aos cidadãos por meio da evangelização, educação, saúde e formação de quadros.

O líder religioso, que falava durante o culto de acção de graças alusivo aos 40 anos de existência da AEA, comemorado hoje, no Estádio 22 de Junho, em Luanda, sob o lema “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente”, prometeu reforçar a unidade e cooperação entre as igrejas do país.

Segundo António Neves Mussaqui, o culto de acção de graças teve como principal objectivo louvar e exaltar o nome de Deus pela protecção e bênçãos que tem concedido aos cristãos angolanos ao longo dos 40 anos.

Até aqui tudo normal. Daqui para a frente tudo… normal.

António Neves Mussaqui aproveitou a ocasião para, em mais um gesto de bajulação, agradecer ao Presidente da República, José Eduardo dos Santos, pelo reconhecimento que tem tido para com a igreja em Angola, bem como pelo seu trabalho e empenho demonstrados para a melhoria da qualidade de vida das populações e condução do país ao crescimento e desenvolvimento de todos os sectores da vida nacional.

É por demais evidente que António Neves Mussaqui, ao que parece mandatado pela AEA, para além de não saber a diferença entre o fundo do corredor e o corredor de fundo, também desconhece que Deus manda dar voz a quem a não tem e, igualmente, defender a verdade.

Mas, também é verdade, tudo isso dá muito trabalho e poucos proventos materiais. E estes só se conseguem com a institucionalização do culto ao “escolhido de Deus”, numa simbiose de irracionalidade e sabujice.

António Neves Mussaqui, para que não restassem dúvidas, agradeceu, igualmente, a atitude e posicionamento do MPLA por reconhecer publicamente, no seu comunicado final do V Congresso Extraordinário, realizado recentemente, que “Angola é um país de matriz cristã alicerçado nos valores do cristianismo”.

Será esse cristianismo que manda dar de comer a quem tem fome, e de beber a quem tem sede?

“Aproveito em nome da AEA para saudar e agradecer ao MPLA por ter reconhecido o trabalho e o papel das igrejas na participação dos esforços de reconstrução do país, em particular na luta pelos valores da vida, cultura, religião, tolerância, moral, boa convivência, do diálogo e respeito”, acrescentou António Neves Mussaqui.

Para o líder religioso, os próximos desafios serão de muito trabalho para o fortalecimento da unidade, cooperação e coesão no seio da organização e do país. E que tal trabalhar em prol do rebanho? Não. Isso não. Rebanho esquelético não alimenta pastor obeso.

A construção de um centro de tecnologias para comunicação e um centro evangélico de conferências em Luanda, assim como a construção de uma escola de música para crianças e jovens e a transformação do Instituto Superior de Teologia do Lubango para Universidade Evangélica de Angola, são as principais prioridades da AEA.

E, está bom de ver, com toda esta bajulação ao “querido líder”, é mais do que certo que a AEA vai ter o apoio do MPLA.

O culto de acção de graças que congregou mais de 600 fiéis, entre reverendos, representantes legais, presidentes e secretários gerais serviu de igual modo para homenagear e reconhecer o trabalho desenvolvido pelos anciãos, diáconos e pastores ao longo dos 40 anos desta instituição eclesiástica.

A Aliança Evangélica de Angola é a primeira instituição de unidade e cooperação entre as igrejas evangélicas que tem como objectivo reflectir e promover acções de evangelização, acção social, comunicação e formação de quadros. Foi criada em 28 de Dezembro de 1974, em Luanda.

As denominações religiosas Assembleia de Deus Pentecostal (ADP), Igreja Cristã Evangélica em Angola (ICEA), Igreja Evangélica Sinodal em Angola (IESA), União da Igreja Evangélica em Angola (UIEA), Igreja Evangélica dos Irmãos em Angola (IEIA), Convenção Baptista em Angola (CBA), Igreja Evangélica Luterana em Angola (IELA), Igreja de Cristo em Angola (ICA), Igreja Presbiteriana em Angola (IPA), Igreja Evangélica Pentecostal em Angola (IEPA), Igreja Evangélica Avivamento Bíblico (IEAB), Igreja Bíblica da Vida Profunda (IBVP) e a Igreja de Redenção Pentecostal (IRT), constituem as 13 igrejas que compõem a AEA.

Possui ainda duas instituições vocacionadas para a prestação de serviços das áreas de saúde, treinamento de liderança e distribuição de literatura evangélica. Tem quatro instituições de serviço social e funciona com 15 comissões provinciais de cooperação em todo país.

É também membro da Associação dos Evangélicos de África e da Aliança Evangélica Mundial.

Partilhe este Artigo