A vida e obra da soberana Lweji A’Konde é retratada no sábado, na cidade do Luena, Moxico, com a exibição de uma peça teatral pelo grupo Arte Kissonde, informou o seu director artístico, Domingos Fernando Caieiei.

Falando hoje à Angop, o dramaturgo explicou que a peça intitulada “Lweji, o nascimento de um novo império”, vai retratar a entronização desta grande figura da região leste e a sua vida como grande Rainha.

Domingos Caieiei disse que pretende, com a presentação desta, peça chamar atenção aos jovens para a necessidade da conservação dos feitos, usos e costumes locais, bem como ajudar a mudar a conduta desta franja da sociedade.

Lweji A’Konde foi entronizada pelo pai, o rei Konde Mateda. Ela ocupou o trono após a morte do seu pai, num cenário de contestação da família de membros do conselho dos Bungu.

Conselho dos Bungu assim eram designadas as comunidades de caçadores e agricultores que integravam a maioria da população do Império Lunda, situado na confluência da nascente dos rios Kanhi e Kashindaxi, afluentes do rio Kassai, nas imediações do rio Luabala.

Entretanto, em causa estava a preferência pela filha mais nova, tida por “obediente”, ao contrário dos dois filhos mais velhos da primeira, Chinguri e Chinhama, inicialmente considerados como principais herdeiros, rejeitados pelo soberano por alegado “mau comportamento”.

A soberana (Lueji ou Lweji) é conhecida também na língua Lunda por Suana mu Runda, que significa substituta da região Runda ou Lueji A’Konde para designar filha de Nkondi.

O seu casamento com o caçador Chibinda Ilunga, proveniente de uma tribo estranha e a consequente “interferência” deste ao prestar auxílio na governação, usando insígnias da corte e aconselhamento a esposa, gerou a emigração do povo da aldeia, por considerar o acto de um insulto público.

Movida por coragem impar, quando ainda menor de idade, “governou com inteligência durante muitos anos, antes de confiar o poder a seu filho Yava, igualmente conhecido por Muata Yava ou Mwatxianvua, pioneiro na abertura da dinastia vigente.

A peça “Lweji o nascimento de um novo império” foi igualmente exibida no festival nacional de teatro em Benguela, no âmbito do Fenacult 2014.

Com mais de 20 actores, o grupo teatral Arte Kissonde já representou a província do Moxico em várias actividades de carácter nacional, com destaque para o primeiro Festival Nacional, realizado na província de Cabinda, em 2001 e Fenacult 2014.

Partilhe este Artigo