Em Angola existe desde 1995 um movimento de promoção da mulher na Igreja católica. Chama-se PROMAICA e foi um dos maiores movimentos católicos femininos com que o agora Papa Emérito, Bento XVI, se encontrou durante a sua visita a Angola em 2009.

Da PROMAICA fazem parte hoje mais de 80 mil mulheres espalhadas por todo o país e distribuídas por todas as classes sociais, incluindo religiosas.

180 delegadas do Movimento estiveram reunidas em finais de Agosto passado, no Huambo, na sua assembleia plenária ordinária que teve como lema “A mulher de quem depende o progresso humano”.

D. Tirso Blanco, Bispo de Lwena e Delegado da CEAST (Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe) para acompanhar o movimento disse à Rádio Vaticano, na rubrica “África – Vozes Femininas” que fizeram um balanço do caminho percorrido, projectando-se no futuro para o qual querem também contar com as jovens.

Na mesa dos trabalhos esteve também a necessidade de um novo estatuto para este movimento criado pelo então bispo de Benguela, D. Óscar Braga, e que esteve até agora ligado à Cáritas nacional. Mas o movimento cresceu e precisa agora de ter um seu próprio secretariado. É um movimento com o qual a Igreja conta muito em Angola, pois, diz ainda D. Tirso, a mulher é “factor” de mudança, de evangelização.

Entretanto, uma mini-assembleia da PROMAICA está marcada para Janeiro próximo com vista na preparação das comemorações dos 25 anos do movimento que ocorrem em 2015.

D. Tirso Blanco exprime o apreço dos bispos da CEAST pela forma como viram as mulheres angolanas em oração no Santuário de Nossa Senhora da Muxima, quando para lá se deslocaram no final da sua Assembleia plenária.

Partilhe este Artigo