Cerca de 70 por cento da receita total arrecadada pelo Estado angolano entre Janeiro e Agosto, mais de 21 mil milhões de euros, foi assegurada pela indústria petrolífera, indicam dados do Ministério das Finanças.

De acordo com o mais recente boletim preliminar sobre o comportamento das receitas correntes, o sector petrolífero assegurou, até Agosto, mais de 1.843 mil milhões de kwanzas, o equivalente a 14,7 mil milhões de euros.

Já o sector não petrolífero representou, no mesmo período, receitas na ordem dos 800 mil milhões de kwanzas, cerca de 6,3 mil milhões de euros.

Face a estes números, a receita petrolífera teve um peso de 70% no total de cobrança arrecadada pelo Estado angolano até agosto, confirmando as dificuldades do primeiro semestre do ano, com a redução da produção nacional.

Os dados continuam também a evidenciar a forte dependência da exportação de petróleo por parte de Angola nas receitas nacionais, apesar da posição oficial do Executivo, de diversificação da economia.

A 15 de Outubro, no anual discurso sobre o estado da Nação, o Presidente angolano voltou a enfatizar a necessidade de desenvolver os restantes sectores produtivos nacionais, a propósito da quebra da produção e na cotação internacional do petróleo.

Para o chefe de Estado angolano, a “sustentabilidade” do desenvolvimento do país “pressupõe a necessidade de reduzir a actual dependência da nossa economia do petróleo bruto”.

“Diversificar a actividade económica e a produção, em particular, é, pois, uma questão crítica, uma tarefa urgente e inadiável, determinante do nosso futuro e de uma mais efectiva independência nacional”, sublinhou José Eduardo dos Santos.

Em todo o ano de 2013, de acordo com os dados do Ministério das Finanças, as receitas petrolíferas tiveram um peso de 76% nas contas públicas.

Já no passado mês de Agosto, o último constante dos dados libertados este mês por aquele ministério, as receitas petrolíferas – cerca de 2,4 mil milhões de euros – subiram 49% face ao mesmo mês de 2013 e 52% face a Julho deste ano.

No mesmo mês (Agosto de 2014), as receitas do sector não petrolífero foram de um terço – 804 milhões de euros – das da área do petróleo.

Estes indicadores demonstram ainda uma recuperação na produção petrolífera, colocando a produção angolana, segundo o ministério dos Petróleos, em cerca de 1,8 milhões de barris por dia.

Partilhe este Artigo