O Ministério da Saúde de Angola prevê vacinar contra o sarampo, nas próximas duas semanas, mais de onze milhões de crianças, até aos dez anos, envolvendo a campanha que começou hoje estudantes de enfermagem e de medicina.

A campanha “Juntos pela eliminação do Sarampo” vai decorrer nas 18 províncias do país, no âmbito do Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário, entre hoje e 5 de Outubro.

Só em Luanda, as autoridades de saúde prevêem a vacinação de mais de dois milhões de crianças, com idades entre os seis meses e os dez anos.

De acordo com o ministro da Saúde, José Van-Dúnem, o envolvimento das famílias nesta campanha “é fundamental”, daí os apelos que têm sido lançados à mobilização da população.

“Fica subjacente os pais acompanharem e levarem os filhos à vacinação”, apontou.

A vacinação vai ser feita em unidades sanitárias e postos de vacinação nas escolas, creches e lares de infância, mas também ao nível dos bairros e nas aldeias.

Em paralelo, decorrerá a vacinação contra a poliomielite (dos os zero aos cinco anos) e a administração de vitamina A (dos seis meses aos cinco anos).

Neste processo, além de técnicos do Ministério da Saúde, vão estar envolvidos, no terreno, estudantes das faculdades de enfermagem e medicina angolanas.

“Para que eles possam ser atores nesta campanha”, sublinhou o ministro José Van-Dúnem.

A vacinação contra o sarampo é feita, em Angola, a crianças com mais de nove meses, sendo o alargamento da faixa etária nesta campanha justificada pelas autoridades de saúde com a “evolução do quadro epidemiológico do país”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu este ano Angola na lista de países que ainda registam surtos epidémicos de sarampo, com 4.458 casos notificados em 2012, abaixo da República Democrática do Congo (72.029), Burkina Faso (7.362) e Nigéria (6.447).

Dados estatísticos do Ministério da Saúde de Angola dão conta que aquele país registou em 2013 um total de 15.632 casos de sarampo, que resultaram em 305 óbitos.

As províncias do Uíge, norte do país, com 2.874 casos, e a do Bié, com 2.385 casos, foram as mais afectadas.

O Plano Estratégico de Eliminação do Sarampo 2014-2020 do Ministério da Saúde de Angola prevê o reforço da vacinação de rotina e manuseamento correto dos casos de sarampo, campanhas nacionais, a introdução da segunda dose de vacinação contra a doença no calendário nacional de vacinação de rotina e vigilância epidemiológica activa do sarampo.

Partilhe este Artigo