O Executivo angolano prevê investir 40 mil milhões de euros na construção de 10.600 quilómetros de rede ferroviária nacional para levar o comboio a todas as capitais de província, segundo informação divulgada hoje em Luanda.

E m causa está um programa de longo prazo para expansão da rede, anunciado pelo director geral do Instituto Nacional dos Caminhos de Ferro de Angola (INCFA), Júlio Bango Joaquim, que se segue à reabilitação das três linhas existentes – Luanda, Benguela e Moçâmedes -, concretizada nos últimos anos. “Desta forma, teremos o país totalmente atravessado por rede ferroviária, o que vai permitir que todas a capitais de província sejam abrangidas”, disse o responsável. Citado hoje pela rádio pública angolana, sublinhou tratar-se de um projecto com uma estimativa de investimento “à volta” de 50 mil milhões de dólares (cerca de 40 mil milhões de euros), a desenvolver “no longo prazo”. Júlio Bango Joaquim referiu que contempla ainda as ligações às redes ferroviárias da República Democrática do Congo, Zâmbia e Namíbia. O objectivo, além de alargar o transporte de passageiros até ao interior do país, interligando as linhas que hoje partem das cidades de Luanda, Lobito e Namibe – reabilitadas e prolongadas após o fim da guerra civil, em 2002 -, passa por articular, no transporte de mercadorias, as redes ferroviárias e rodoviárias, os portos e as plataformas logísticas junto às fronteiras com os países vizinhos. No âmbito desta estratégia, segundo o director do INCFA, está já concluído o estudo de viabilidade para alargar a rede ferroviária no norte, envolvendo as províncias do Uíge, Zaire e Cabinda.

Partilhe este Artigo