O novo governador da província de Luanda, Graciano Francisco Domingos, defende um reforço policial e o apoio da população para travar a criminalidade na capital do país.

“Temos de reforçar a polícia, em agentes. Temos de equipar melhor a polícia”, afirmou o governador, na sequência de reuniões de trabalho mantidas com o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, que o empossou nas funções na quinta-feira.

“Mas temos de apelar para que os cidadãos exerçam uma cidadania activa, comunicando situações, para que os grupos de marginais não tenham muito tempo para se organizarem, para se estruturarem, como por vezes acontece”, disse ainda Graciano Francisco Domingos.

Aos jornalistas, o novo governador provincial recordou que Luanda tem hoje “cerca de oito a dez milhões de habitantes” para um número provavelmente insuficiente de agentes da Polícia Nacional.

“Quantos polícias temos para controlar, vamos supor, para cada milhão de habitantes, qual é a proporção? Tudo isso pode contribuir para alguma impunidade”, admitiu.

Nos últimos meses têm sido relatados casos de criminalidade violenta, incluindo vários homicídios, sobretudo nos arredores da cidade de Luanda.

A situação levou o Presidente da República a transmitir instruções, em Junho, às forças policiais no sentido de adoptarem medidas de segurança e manutenção de ordem pública em Luanda.

“Tendo dado orientações no sentido de se adoptarem medidas preventivas visando garantir a segurança dos cidadãos e dos seus bens, e a manutenção da ordem pública”, segundo informação transmitida na altura.

O novo governador de Luanda defende a necessidade de “investir” na identificação e localização de quem vive actualmente na província.

“E, para cada território, temos de escolher responsáveis da polícia que saibam quais as pessoas que vivem nesses locais, o que é que fazem e como vivem. Se não fizermos isso será muito difícil controlarmos a criminalidade”, disse Graciano Francisco Domingos.

Partilhe este Artigo