“Nota-se nas manifestações que têm sido e serão sempre reprimidas com grande brutalidade pelos homens ao serviço explicito de José Eduardo dos Santos, assim como nas eleições eleitorais até agora realizadas caracterizadas por fraudes eleitorais, que falta em Angola um verdadeiro líder na oposição que tenha história e queira fazer história.

Por Fernando Vumby (*)

S em este tipo de líderes históricos que infelizmente cada vez vai se tornando uma raridade vai ser muito difícil haver mudanças em Angola em termos de poder e as manifestações ou eleições não deixarão de ser aquilo que considerei como uma espécie de brincadeira entre o cão e o gato.

Só foi com esse tipo de lideranças que os outros países escreveram páginas de ouro na sua história ao conseguirem correr do poder e nalguns casos eliminar ditadores que estavam no poder dezenas de anos como está o José Eduardo dos Santos em Angola.

Se aquilo que todos os angolanos almejam enquanto direitos sociais, políticos, culturais e económicos é comum, ainda não consegui entender como é que a UNITA por exemplo com todo o seu poder mobilizador, respeito e admiração que conquistou ao longo de todos esses anos não alinhar em manifestações que não sejam organizadas por eles?

Espero que qualquer dia merecer uma explicação por parte de alguns quadros da UNITA, que conheço e com quem me relaciono e partilho algumas ideias como filhos da mesma pátria martirizada.

Se de facto o que está em causa é a democratização do país, tirando-o das mãos de corruptos e gente mais preocupada em assassinar os seus contra como provam os factos, eu acho ser um perigo a UNITA com todo seu poder se distanciar das manifestações apenas com o argumento de que não precisa andar de boleia .

Mas atenção, não quer com este texto me interferir na linha politica de orientação da UNITA , no que toca à participação ou não em manifestações quando organizadas por outros partidos ou movimentos juvenis conhecidos por Revús .

Mas é pena porque a presença da UNITA com os seus milhões de simpatizantes para além de que daria um outro impacto às manifestações o regime estaria perante uma situação mais apertada e complicada.

Já imaginaram 5000 pessoas por exemplo todas gritando de uma só vez e em coro enfrente ao palácio da presidência – Fora com o ditador ou que José Eduardo dos Santos é ladrão?

Então isto não seria um sinal muito forte ao ditador angolano e não lhe obrigaria á rever o seu comportamento corrupto, os seus abusos e as violações constantes da lei constitucional e dos Direitos Humanos?

Mais o dia em que os angolanos avançarem em bloco formando um cordão de gente decidida á dar a sua vida por Angola, o regime vai cair.

O que adianta haver manifestações se depois de um tiro no ar ou um morto o primeiro sinal é para se recuar?

Eu acho que manifestações num país com um regime tão repressivo e brutal como o angolano deve ser um acto realizado por pessoas de muita coragem e dispostos á darem á sua vida pelo objectivo á que dizem lutar.

Um líder com convicções firmes, preparado para assumir as consequências e que saiba funcionar como uma espécie de comandante de todos é o que tem faltado nas manifestações onde os jovens acabam por ser sempre a presa fácil da policia e dos serviços secretos ao serviço de JES.

Manos alguém já se preocupou em saber, até quando teremos estes nossos jovens combatentes vivos num país onde raramente á um preso politico não é aplicado substancias que o vai matando aos poucos?

Um país com perto de 16 milhões de habitantes se não me engano só a UNITA é que consegue juntar mais de 5 mil manifestantes e os outros?

Quando os próprios manifestantes se admiram sempre que o regime reage com brutalidade, dão-me á entender que não conhecem o regime contra o qual protestam.

Ou se manifesta até atingir-se o objectivo final ou se calhar o melhor é estar-se quieto para não se continuar nesta espécie de brincadeira entre o rato e o gato.

O regime precisa de sentir um sinal muito sério através de um abanão enérgico de uma oposição unida e me parece que uma das coisas mais difíceis e continuará á ser para Angola é haver uma oposição unida.

Me parece que alguns já se dão por felizes, pelo facto de terem um cunhado, irmão , primo ou tio no MPLA que de quando em vez vai fazendo chegar alguns trocados para ajudar no seu orçamento familiar?

Quando um opositores passa metade da sua vida atrás de governantes tão corruptos pedindo uns trocados para uma viagem aqui e acolá mesmo sendo da sua família e os dinheiros sendo pertença de todos angolanos o que se pode esperar deste tipo de opositores que temos e não são poucos?

Infelizmente desta qualidade temos muitos em Angola e são esses que funcionam no silencio como uma espécie de travão dos que pretendem á todo custo sacrificar suas vidas por um país mais digno para todos os angolanos.

Com as eleições é a mesma coisa, todos dissemos que queremos as eleições mas depois da batota, quando não coçamos no nariz, coçamos na cabeça porque ninguém tem alternativas para se derrubar o batoteiro no mesmo dia da fraude.

Assim estamos condenados a ver a história sempre a repetir-se, jovens presos, massacrados e abandonados quando não envenenados para irem morrendo aos poucos ou lançados aos jacarés-

Cada recuo nosso é uma vitória para o regime e cada avanço nosso é um sinal de perigo para o regime mais este sinal jamais haverá enquanto uns continuarem á espera que os outros lhes cozinhem o fungi…

Basta avançarmos mesmo sem violência mas decididos e dispostos a darmos a nossa vida, eles acabarão por recuar por mais brutais que eles sejam eu não acredito que o regime mataria os milhões de uma só vez , assim não teriam tempo para fazerem as malas.”

(*) Fórum Livre Opinião & Justiça

Partilhe este Artigo