O empresário moçambicano Momade Bachir Sulemane foi hoje raptado por homens armados em Maputo, junto do centro comercial de que é proprietário, disse à agência Lusa fonte familiar.

Oempresário, de 56 anos, foi raptado por volta das 14:00 (12:00 de Lisboa) na parte traseira do Maputo Shopping Centre, também conhecido por edifício MBS (Momade Bachir Sulemane), localizado numa zona movimentada da baixa da capital moçambicana, junto ao gabinete do primeiro-ministro e de outros edifícios estatais, como o Ministério dos Negócios Estrangeiros, tendo as autoridades moçambicanas sido já contactadas pela família da vítima.

Momade Bachir Sulemane, um dos mais proeminentes empresários moçambicanos, foi classificado pelo Governo norte-americano como um “barão da droga”, em 2010, tendo o Departamento do Tesouro dos EUA congelado todos os bens que possuía neste país e proibido empresas norte-americanas de manterem relações comerciais com o Grupo MBS Lda, que detém o Maputo Shopping Centre, entre outras acções.

Os EUA acusaram o empresário de importar droga da Índia e do leste da Ásia, transitando por Moçambique, com destino à Europa.

Após as acusações das autoridades norte-americanas, a Procuradoria-Geral da República moçambicana iniciou averiguações, das quais concluiu não haver “indícios suficientes” do envolvimento do empresário com o tráfico de drogas.

No seu relatório datado de 2011, a PGR disse ter encontrado apenas ilícitos de natureza fiscal e aduaneira, mas a embaixada dos EUA em Maputo manteve que existem “evidências suficientes para a designação do senhor Bachir como barão de droga”.

Partilhe este Artigo