O secretário-geral da UNITA, Victorino Nhany, insurgiu-se contra o silêncio das Nações Unidas perante violação dos direitos humanos em Angola quando discursava perante jovens da UNITA que realizaram o 1º acampamento nacional da JURA, em Malanje.

A propósito da recente tentativa de assassinato de que foi alvo o Deputado à Assembleia Nacional, Liberty Tchiyaka, em Luanda, Victorino Nhany perguntou: “Onde estão as Nações Unidas perante tanta matança em Angola?” Referindo que “há falta de água e de tudo no país”, acrescentou que “os direitos humanos em Angola não interessam à ONU, só interessa o dinheiro do petróleo de Angola e dos diamantes”.

Victorino Nhany precisou que o seu partido está a conquistar cada vez mais corações dos angolanos, estando todos os dias a registar o crescimento das fileiras, o que em seu entender está na origem do nervosismo manifestado pelo partido no poder.

“Estão a perder terreno em todo o espaço nacional, daí que passaram para a táctica de eliminação física do companheiro Liberty Tchiyaka, porque no campo de competição política já estão derrotados”, disse.

O dirigente partidário apelou aos jovens da JURA para se empenharem na mobilização de angolanos para delegados de lista no sentido de se garantir maior fiscalização nas eleições de 2017.

“A JURA deve tomar a dianteira começando a mobilizar angolanos para delegados de lista no sentido de fiscalizarmos o voto nas próximas eleições. É um desafio lançado à juventude”, afirmou Victorino Nhany.

Entretanto, as ruas de Angola poderão ser palcos de manifestações de massas caso se volte a verificar cenas de fraude eleitoral em 2017.

“Já fomos roubados em 1992, em 2008 e em 2012. O dono do poder político é o povo. Em 2017 se houver mais fraude o povo vai para as manifestações de rua”, adiantou o secretário-geral da UNITA.

Partilhe este Artigo