Os cubanos residentes em Angola foram avisados, na cidade do Huambo, que devem ser mais patriotas e a acompanharem de perto o evoluir da situação política e social do seu país.

O apelo é da embaixadora cubana, Gisela Beatriz Garcia Rivera, discursando no II Encontro Nacional da Associação da Comunidade dos Cubanos Residentes em Angola, evento realizado com o objectivo de fortalecer a unidade entre os associados e imprimir maior dinamismo no funcionamento da organização.

A diplomata argumentou que o patriotismo é indispensável para enfrentar os desafios actuais que a República da Cuba atravessa, visando a defesa da sua soberania, integridade territorial e estabilidade política, social e económica.

Gisela Rivera disse, na ocasião, que Cuba vive momentos de grandes desafios tanto internos como externos, salientando que o principal tem a ver com a actualização do modelo económico, com finalidade de melhorar o crescimento da economia no quadro dos princípios básicos do socialismo.

Afirmou que a melhoria do crescimento económico e do nível de vida do povo cubano passa, necessariamente, por uma maior eficiência económica, uma estimulação do trabalho, da distribuição equitativa da riqueza nacional e, sobretudo, pelo envolvimento de todos os cubanos.

Desta feita, segundo a representante do governo cubano em Angola, é necessário que os cidadãos fora do território participem activamente nesta luta, tendo como recurso o uso dos meios das novas tecnologias, enviando, para tal, sugestões, contribuições, defendendo a imagem do país, a cultura e as raízes do povo cubano.

“É necessário que estejamos unidos, que enfrentemos juntos os desafios dos tempos actuais, sobretudo marcado com as ameaças de guerra, prisões, crise económica, na defesa da mãe pátria de Cuba”, lembrou aos presentes.

Estima-se que em Angola estejam a residir, legalmente, cerca de cinco mil cidadãos cubanos, na sua maioria médicos e professores universitários.

Partilhe este Artigo