O presidente do Parlamento guineense, Cipriano Cassamá, disse hoje que pretende em 2015 uma aproximação da instituição que dirige com os jornalistas para, destacou, a “moralização da sociedade e combater a corrupção”.

N um encontro de confraternização com os jornalistas na Assembleia Nacional, Cipriano Cassamá pediu aos jornalistas que se juntem “aos esforços” do Parlamento para fiscalização da acção governativa, moralização da sociedade, das más práticas dos agentes públicos e denúncia da corrupção.

O líder do Parlamento pediu mesmo que haja “uma cumplicidade” entre o hemiciclo e os jornalistas na persecução daqueles objectivos, que disse serem comuns às duas instituições.

Cipriano Cassamá afirmou não pretender colocar em causa a liberdade e independência dos jornalistas mas realçou que o seu papel “é imprescindível para a afirmação da democracia” na Guiné-Bissau.

“Não há democracia sem verdadeira liberdade de expressão que é garantida pelos órgãos de comunicação social e pelos jornalistas”, observou Cassamá, que espera que 2015 seja um ano de consolidação institucional do Estado guineense e que traga “mais qualidade democrática” no próprio Parlamento.

Respondendo a um pedido feito pelos jornalistas, Cipriano Cassamá anunciou que em Fevereiro o parlamento passará a contar com um porta-voz que fará comunicações regulares sempre que for necessário.

O presidente do Parlamento agradeceu a cobertura mediática que o órgão legislativo tem tido e prometeu trabalhar com o Governo para a melhoria das condições laborais dos jornalistas do país, concluindo com o desejo de que 2015 seja um ano de paz para os guineenses em todos os sentidos.

Partilhe este Artigo